Matérias

15 de de 2017

A influência dos hormônios sexuais na longevidade humana

Um dos grandes desafios da ciência sempre foi criar uma fórmula ou abordagem que pudesse priorizar a vida humana, prolongando a longevidade, com estratégias de brecar o relógio biológico e postergar o envelhecimento.

A influência dos hormônios sexuais na longevidade humana

Estrutura química dos hormônios.

Inúmeras e incansáveis pesquisas foram desenvolvidas a fim de se descobrir alguma poção mágica que pudesse ser considerada a pílula da juventude.
Diante de todos os estudos realizados, foi descoberto que o foco dos estudos deveria ser voltado ao mundo microscópico da célula humana, mais precisamente nas estruturas cromossômicas, localizadas dentro do núcleo celular (DNA), com destaque total a uma estrutura denominada Telomero.

Mais afinal o que são os telomeros?
Os telomeros são estruturas localizadas nas extremidades dos cromossomos (onde está o DNA) e que têm como função proteger a integridade dos genes durante a multiplicação das células, porém nós fisiologistas, sabemos que com o avanço da idade, essas estruturas vão encurtando cada vez mais e as células, consequentemente vão perdendo a proteção telomeral, podendo acarretar, em casos mais extremos, à morte celular. Portanto, estava claro para nós pesquisadores, que evitar seu encurtamento era uma estratégia a ser seguida para promover o retardo no envelhecimento humano, porém como proceder para que isso aconteça?

A estratégia seria estudos aprofundados na bioquímica molecular celular, especificamente da região telomeral, envolvendo as enzimas que participam do processo, com destaque a enzima Telomerase.

A Telomerase se classifica como uma transcriptase reversa, tendo na sua estrutura um modelo em RNA utilizado para sintetizar o DNA telomérico, ou seja a telomerase é uma enzima reparadora dos telômeros, sem ela os telomeros sofreriam o processo de encurtamento constante até a sua ausência final com morte celular.
Porém um recente estudo publicado em 2016, deu um novo rumo às pesquisas, colocando uma nova perspectiva a nós,  para a conquista desse sonho. Em um artigo publicado no The New England Journal of Medicine, uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo, um grupo de pesquisadores anunciou que, pela primeira vez, provou-se em humanos que o uso determinados hormônios, podem reverter o envelhecimento celular. 

As pesquisas envolveram o uso dos nossos conhecidos hormônios esteroides sexuais, (testosterona, estradiol), mas especificamente o Hormônio Testosterona. (Danazol- Etiniltestosterona).

A testosterona, mostrou-se ativamente estimulante da enzima telomerase, promovendo a reparação dos telomeros, dificultando o seu encurtamento.
A conclusão abre uma nova perspectiva para diversas áreas e especialidades, como a Fisiologia e Ciência Anti-Envelhecimento, Medicina do Esporte e Performance Física, Estética da Face & Cosmiatria, dentre outras, tanto em sua prevenção, como no tratamento de diversas patologias resultantes do desgaste do organismo humano com o passar dos anos, como as neoplasias (câncer), o infarto e o Alzheimer, dentre outras.

Fonte: Dr. Edson Carlos Z. Rosa

Imprimir Enviar por email
  • Banner
  • Banner
  • Banner