Matérias

25 de outubro de 2017

No verão, gestantes sofrem com inchaço e varizes nas pernas; confira dicas para minimizar problemas

De um lado, questão hormonal e crescimento do feto colaboram para o aparecimento das varizes na gravidez; de outro, o calor dilata as veias superficiais e torna as pernas pesadas e dolorosas

No verão, gestantes sofrem com inchaço e varizes nas pernas; confira dicas para minimizar problemas

?Para minimizar o problema, muitas vezes a recomendação é o uso de meias de compressão a partir do segundo mês de gravidez. O ideal é colocar pela manhã e tirar apenas na hora de dormir.?, explica a Dra. Aline Lamaita.

Apesar da genética ser preponderante, as varizes costumam surgir em gestantes por dois motivos: “Um dos fatores que fazem com que as futuras mamães apresentem o problema nas pernas é hormonal: a progesterona aumenta a dilatação de todas as veias do organismo”, explica a cirurgiã vascular e angiologista Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. “Além disso, o crescimento do feto eleva a pressão nas veias das pernas. E para completar, as estações mais quentes do ano provocam alteração na circulação, já que os vasos sanguíneos passam por uma vasodilatação para favorecer a transpiração e equilibrar a temperatura do organismo estável”, acrescenta a médica.

De acordo com a médica, durante os nove meses de gestação, mudanças radicais acontecem com o corpo das grávidas. Ela explica:

Primeiro trimestre — “Nesse período, a barriga ainda não apareceu — mas os hormônios já estão à flor da pele e existe um aumento importante da volemia (quantidade de sangue circulante no corpo), afinal temos que formar uma placenta. O aumento da progesterona pode causar uma flacidez das veias o que pode levar a inchaço, dor nas pernas, tonturas e sensação de queimação”, comenta a médica.

Segundo trimestre — “Costumo dizer que é a melhor fase da gestação: a barriga ainda não está muito grande, o corpo já se adaptou ao aumento da volemia e variação hormonal, enfim, três meses de relativo sossego. Nessa fase, só é comum a queixa de câimbras à noite”, explica.

Terceiro trimestre — A angiologista explica que, nesse período, a barriga atinge seu apogeu e junto com ela existe uma compressão importante da Veia Cava (dentro da barriga). “Isso prejudica terrivelmente o retorno do sangue das pernas e vai ser responsável por aquele pé pãozinho no final da gestação. Claro que quanto maior for o ganho de peso durante a gestação, mais sofrido será esse período. Apesar de termos essas diferenças entre as fases da gestação, tenho pacientes que terão manifestações gravíssimas, com piora das varizes, tromboflebites, trombose, e por outro lado, existem mulheres que vão passar uma gestação supertranquila, sem lembrar que o vascular existe”, diz.

A Dra. Aline também explica que não necessariamente problemas prévios de circulação pioram as varizes, mas que o acompanhamento durante a gestação é essencial. “Para minimizar o problema, muitas vezes a recomendação é o uso de meias de compressão a partir do segundo mês de gravidez. O ideal é colocar pela manhã e tirar apenas na hora de dormir”, explica. E dá outras dicas para minimizar o Stress Circulatório durante a gestação:

- Cuidado com o excesso de ganho de peso;

- Faça alongamentos para melhorar as câimbras à noite;

- Beba bastante líquido, mantenha-se hidratada;

- Use meias elásticas (seu vascular pode indicar um modelo adequado);

- Após 14 semanas existem medicações que podem melhorar os sintomas de dor, cansaço e edema;

- Tente dormir de lado, de preferência o esquerdo (isso tira o peso do útero de cima da Veia Cava, liberando a circulação das pernas e melhorando o fluxo de sangue para a placenta);

- Pratique atividade física regular, se não houver contraindicação pelo seu médico obstetra;

- Drenagem linfática manual ajuda na retenção de líquido, melhorando o inchaço além de relaxar a futura mamãe.

A médica comenta que, mesmo se todas as orientações forem seguidas, não é incomum que pacientes observem uma piora no aspecto de suas pernas, com vasinhos e veias dilatadas. “Mas para esse caso, não precisa se desesperar, já que grande parte disso involui depois do parto, por isso a necessidade de esperar pelo menos três meses após o parto, retorno do útero ao seu tamanho original para cogitar qualquer tratamento para varizes ou vasinhos”, pontua a médica.

Passado esse período, uma avaliação completa da circulação pode ser feita e o melhor tratamento será escolhido. “E essa é a parte fácil: fazer aplicação, cirurgia de varizes, enfim, o melhor tratamento para cada caso, porque as mulheres precisam de pernas em ordem para enfrentar a parte mais difícil e com certeza a mais gostosa de ser mãe”, finaliza.

Fonte: Dra. Aline Lamaita

Imprimir Enviar por email
  • Banner
  • Banner
  • Banner