Impresso

10 de fevereiro de 2017

Suplementos: L-Carnitina

A L-carnitina é um suplemento formado no fígado e nos rins através de dois aminoácidos

Suplementos: L-Carnitina

L-Canitina em cápsulas

A L-carnitina é um suplemento formado no fígado e nos rins através de dois aminoácidos: a lisina e a metionina. Derivada do latim Carnis (carne) ela pode ser obtida através da dieta com um consumo em torno de 100 a 300mg, sendo sua maior fonte a carne, mas pode ser encontrada ainda no leite e nos ovos.
A L-carnitina é armazenada no nosso organismo principalmente no tecido muscular e tem um papel chave no metabolismo de gordura, ajudando o uso da gordura para obtenção de energia pelo músculo, pois é um importante transportador de ácidos graxos para a mitocôndria da célula, organela responsável pela produção de energia. Sendo assim, seu aumento proporciona mais substratos para o metabolismo, para o consumo de gordura e para produção de energia para o tecido muscular.
É muito provável a defi ciência de L-carnitina em dietas veganas, assim como pode-se apresentar carência na gestação, em pessoas com diabetes, com obesidade, em atletas (pela atividade física extenuante) e até mesmo em crianças em fase de crescimento.

Algumas patologias, como hipotiroidismo, diabetes, cirrose e doenças cardíacas podem diminuir os níveis de L-carnitina, assim como o uso de alguns medicamentos anticonvulsivantes. A L-carnitina tem sido um dos nutrientes mais comuns encontrados em suplementos de perda de peso e seu uso se estende desde o consumo para o aumento do desempenho na performance física, até para a melhora das funções cognitivas melhoras da circulação, doenças cardíacas, doenças do colesterol e doenças hepáticas. Ao longo dos anos, vários estudos foram realizados sobre os efeitos da suplementação de L-carnitina no metabolismo das gorduras, na performance física e na composição corporal.

ESTUDOS COMPROVAM
Além disso, a L-carnitina tem se deslocado para outra categoria, o antioxidante. Um estudo realizado em 2009 verifi cou que a suplementação com L-carnitina tem efeito na redução dos biomarcadores de estresse oxidativo induzido pelo exercício. O uso de tartarato de L-carnitina durante os períodos de intensifi cação no treinamento pode ajudar a tolerância disso em maior grau (Volek, 2002). Outro estudo recente publicado no Journal of Sports Medicine, em2014, mostrou a redução dos marcadores de lesão muscular (CPK e DHL) e da peroxidação após suplementação de 2g diárias de L-carnitina em indivíduos saudáveis por duas semanas, ou seja, mostrando aumento da capacidade antioxidante total no grupo que utilizou o suplemento. Estudos em ratos diabéticos mostraram melhora do efeito cardioprotetor da L-carnitina com sua suplementação, o que é explicado pelo substrato energético preferido do músculo cardíaco ser os ácidos graxos (usamos L-carnitina no processo de oxidação deles). A deficiência de carnitina pode levar a problemas cardíacos, ainda porque temos comumente deficiência de carnitina em diabéticos com hiperglicemia, uma vez que a perda de glicose pela urina acaba aumentando o volume de urina, levando junto vários ácidos orgânicos, que incluem ésteres de carnitina.

Neste ano, na Clinical Endocrinology, uma das mais importante revistas da Endocrine Society, foi publicado um estudo mostrando o benefício da suplementação de L-carnitina em pacientes com ovário policístico. A síndrome de ovários policísticos (PCOS) afeta entre 7 a 10% de mulheres em idade fértil, levando estas a irregularidade menstrual, acne, aumento de pelos, infertilidade, obesidade, aumento da resistência à insulina e alterações no colesterol, com aumento do triglicérides e diminuição do HDL (colesterol bom). Aumento da prevalência de síndrome metabólica, com intolerância a glicose, aumento da pressão arterial, obesidade e diabetes mellitus. Estudos anteriores mostrarammelhora da ovulação e da incidência de gravidez em mulheres com ovário policístico associando L-carnitina ao tratamento tradicional.

Outro estudo publicado em 2014 no Nutrition Journal mostrou melhora da fome, das alterações de colesterol e da perda de peso com a suplementação com 4g endovenosa diária de L-carnitina em pacientes com síndrome  metabólica. Neste estudo em mulheres com PCOS foi avaliada a suplementação por 12 semanas com L-carnitina, mostrando efeitos benéficos significativos na glicemia de jejum, no HOMA -IR (índice que mede resistência à insulina) diminuição da circunferência de quadril, na cintura abdominal e no peso corporal, consequentemente no IMC (índice de massa corporal). Muitos estudos atuais estão averiguando a influência da L-carnitina no sistema imune, no aumento de óxido nítrico, no aumento de massa magra (muscular e óssea), na melhora na fertilidade, no aumento dereceptores de testosterona intracelulares e, claro, na performance física, tanto em endurance quanto em resistência muscular.

Por ser um suplemento que não apresenta efeitos colaterais e tóxicos em doses normais e não constituir doping, é um suplemento seguro e usado nas doses entre 1 ou 2g diárias, geralmente antes do treino, sendo sugerido seu uso com alguma fonte de carboidrato para secreção da insulina. Alguns estudos sugerem seu uso juntamente com suplementos ou fontes alimentares de Ômega 3. Apesar de sua aparente segurança, seu uso e indicação deve ser orientado pelo seu nutricionista ou médico.

Fonte: REVISTA SUPLEMENTAÇÃO - ANO 09 - EDIÇÃO 44

Imprimir Enviar por email
  • Banner
  • Banner
  • Banner