Matérias

14 de de 2017

Brasileiros precisam de hábitos alimentares saudáveis para frear o aumento da obesidade no país

Estudo divulgado recentemente demonstra que a alimentação tradicional do brasileiro tem efeito protetor contra o ganho de peso em indivíduos não ativos fisicamente

Brasileiros precisam de hábitos alimentares saudáveis para frear o aumento da obesidade no país

Alimentar-se de maneira saudável significa comer de tudo, respeitando as vontades e necessidades do organismo.

Estudos indicam que doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e obesidade, têm aumentado entre os brasileiros. Pior: elas aparecem cada vez mais cedo, resultado do estilo de vida que a população leva, em que a alimentação representa um dos principais pilares. Com base nisso, é importante entender o que pode ser feito para melhorar o atual cenário.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2016, 58% dos latinos estavam com sobrepeso, sendo que 56% relataram estar tentando perder peso. Porém, essa é uma questão levantada há anos e nota-se que uma grande parte da população ainda não sabe por qual caminho seguir para conquistar o peso ideal e, mais do que isso, uma qualidade de vida melhor.

“Um dos principais fatores que justificam essa falta de conhecimento é a ideia de que é necessário se privar de determinados alimentos considerados ‘vilões’. Ou seja, muitas pessoas acham que precisam sofrer e abrir mão de alguns prazeres para melhorar sua saúde, o que acaba causando o efeito contrário”, conta Daniel Magnoni, cardiologista e nutrólogo do Instituto Dante Pazzanese.

“A recomendação de aumentar o consumo de vegetais e frutas e evitar o excesso de sal, carboidratos em geral e açúcar não quer dizer que esses alimentos devam ser extintos. A ideia é não excluir nada, e sim criar um paladar atento às sutilezas de sabor e aumentar a diversidade alimentar”, explica a nutricionista Marcia Daskal, membro do comitê multidisciplinar da Campanha Doce Equilíbrio.

Marcia ainda reforça que “retornar à alimentação tradicional do brasileiro, de acordo com as diferentes regiões do País (arroz com feijão, mandioca, farinha, peixe e etc.) pode ser uma boa opção para iniciar uma mudança de hábitos”. Um estudo divulgado em julho de 2017, pela BMC Public Health, demonstra inclusive que esse tipo de alimentação tem efeito protetor contra o ganho de peso em indivíduos não fisicamente ativos.

De acordo com outros dados apresentados recentemente por uma pesquisa realizada pela empresa Nielsen, os consumidores querem cada vez mais transparência e alternativas para melhores decisões sobre o que comer, fatores que se resumem a uma necessidade de maior educação neste sentido. Adicionalmente, o levantamento mostra que subsidiar alimentos mais saudáveis pode ser uma melhor alternativa para aumentar o acesso à variedade de ingredientes.

 

Sobretaxar e/ou rotular contribui para a mudança de hábitos alimentares?

O açúcar é um ingrediente presente na alimentação há séculos. A principal questão é o uso excessivo, que acontece por puro hábito, pelo consumo não consciente do ingrediente em produtos industrializados e também em casa, adicionando-o a bebidas como chá e café. “Na minha visão, ao taxar o açúcar, outros ingredientes adoçantes tomarão seu lugar. Além disso, os países que adotaram versões dietéticas dos produtos (adoçadas com edulcorantes) não apresentam índices menores de obesidade e outras doenças”, afirma a Marcia.

“O exemplo do México, que aderiu à taxação de alimentos açucarados em 2014, a medida só terá efeito no curto prazo. Apesar de, no início, as pessoas terem diminuído o consumo desses produtos, a demanda e as vendas foram se estabilizando ao longo do tempo, ou seja, os consumidores aceitaram os novos preços e voltaram ao comportamento passado”, ressalta Dr. Daniel.

Os especialistas concordam que não é por decreto que a mudança acontece. A educação nutricional nas escolas, a presença de hortas comunitárias, aulas de culinária e de manejo agrícola e o contato mais próximo com o alimento geram mudanças positivas.

Alimentar-se de maneira saudável significa comer de tudo, respeitando as vontades e necessidades do organismo. Significa ter acesso pleno a alimentos íntegros, nutritivos, sem agrotóxicos e contaminantes. Significa ter diversidade, qualidade e oportunidade de escolha. Comer bem envolve moderação e equilíbrio, e é com isso em mente que os brasileiros conquistarão uma qualidade de vida mais saudável e farão com que os índices de doenças crônicas no País diminuam.

 

Fonte: Marcia Daskal

Imprimir Enviar por email
  • Banner
  • Banner
  • Banner